Para aumentar a fotografia faça duplo clique sobre a imagem

Circuncisão
(Anos 1970)

Circuncisão, na província da Lunda. O “tchifungudji” (ajudante) prende o tronco, os braços e a cabeça do jovem que vai ser circuncidado, para que o “nganga-mukanda” (operador), ajudado pelo “tchikolokolo” (professor e enfermeiro), faça o corte do prepúcio.

Quiocos
Os Tshokwe, chamados Quiocos pelos portugueses e Badjok pelos vizinhos do Zaire (actual República Democrática do Congo), são povos de origem Banto com uma organização social matrilinear e constituindo a população de maior dimensão da área oriental de Angola. As populações desta etnia que habitam no Zaire e na Zâmbia são originários de Angola e resultado de grandes emigrações nos finais do século XIX e princípios do século XX. Extraído de “Escultura Tshokwe” (1999), de Marie-Louise Bastin.

A circuncisão
Dos dez aos catorze anos, os rapazes vão para a mukanda (área de palhotas isoladas), onde são submetidos à circuncisão e onde lhes são ministrados todos os ensinamentos referentes às canções, músicas, danças da etnia, bem como os trabalhos de artesanato.
Quando numa aldeia ou grupo de aldeias há dois ou três rapazes com idade de serem circuncidados, os pais combinam com o “nganga-mukanda” (operador), com o seu “tchifungudji” (ajudante) e com o “tchikolokolo” (professor e enfermeiro), qual o dia em que será iniciada a festa que precede a entrada na mukanda. Extraído de ‘’Os Tutchokwe do Nordeste de Angola’’, de João Vicente Martins.

Autor:

Gualberto Boa-Morte Galvão

Cedida por:

Gualberto Boa-Morte Galvão

País:

Angola

0 Comentários

O seu comentário não aparecerá automaticamente, será moderado.

Na categoria:

Informação

Visto 1901 vezes
Data: 26 de Outubro de 2011

Partilhar